descricao

A programação do 2º TEIMA – Festival de Artes Online traz teatro, dança, circo, música e uma mostra curta-peça-metragem de artistas paulistas 


Foram 852 trabalhos inscritos, provenientes de 88 cidades do estado de São Paulo; edição deste ano teve apoio da Lei Aldir Blanc 

 

ACESSO GRATUITO - Espetáculos de teatro, dança, música, contação de histórias, circo, intervenções artísticas e literárias e uma mostra curta-peça-metragem estão na programação do TEIMA de 2021

 

O TEIMA – Festival de Artes Online chega em sua segunda edição e apresenta nos dias 06, 13 e 20 de março (aos sábados), gratuitamente, a pluralidade das artes do estado de São Paulo. Cidades como Campinas, Sorocaba, São Paulo, São Caetano do Sul, Cunha, Mococa, Suzano, Franco da Rocha e Indaiatuba, trazem a potência de seus artistas em mais de 15 horas de exibições online dos 34 trabalhos programados, transmitidos pela plataforma Netshow.me (https://videos.netshow.me/teima). Todo o conteúdo do festival pode ser consultado no site www.teimafestival.com.br.

Das 852 obras inscritas por meio do chamamento público - provenientes de 88 cidades paulistas -, 29 foram selecionadas e outros cinco trabalhos foram convidados a integrar a programação. As linguagens contempladas nesta edição do TEIMA são teatro, música, dança, performance, contação de histórias, literatura, circo e a mostra curta-peça-metragem* (que mescla teatro com a linguagem cinematográfica). 

O TEIMA segue com um olhar para obras que ultrapassam as barreiras do espaço físico, com uma visão de que também é possível se apropriar do espaço digital de maneira elaborada, multimídia e contemporânea. Além da pluralidade de linguagens e temáticas que atravessam as artes, a curadoria se manteve atenta para obras e artistas que atuam fora da capital paulista, um dos pontos importantes citados na convocatória, que reservou 40% das vagas para esses artistas. 

“A escolha dos selecionados foi mesmo uma tarefa revigorante, trabalhos potentes e carregados de pulsão poética, política e social. Buscamos abarcar a pluralidade de corpos e diversidade de manifestações artísticas, levando em conta a descentralização da capital. Estamos arrebatadas com as obras que compõem a programação. Teimosia é nossa força propulsora, vamos espalhar arte!”, conta Mariana Leme, produtora da RIMA Coletiva.

A segunda edição do Festival foi aprovada pelo Edital Proac Expresso Lei Aldir Blanc Nº 40/2020, promovido pelo Governo do Estado de São Paulo, através da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, realizado por meio da parceria entre três produtoras sediadas na cidade de São Paulo: a Ventania Cultural, a Cotiara Produtora e a RIMA Coletiva. 


Convidades

Nesta edição alguns artistas foram convidades a apresentar trabalhos sob o olhar da reinvenção artística e suas perspectivas que fazem referência ao período da pandemia. 

Nas Intervenções Literárias a obra “Sankofa”, com Brenda Ligia Miguel, de São Paulo, traz artistas diversos em grito afiado na tentativa de melhorar: um manifesto para combater o silenciamento das populações marginalizadas em busca de um mundo mais humano. As outras intervenções artísticas são “Casa Corpo”, de Mel Maranhão, pocket show de lançamento do primeiro EP da artista, com canções inéditas que têm como temática o universo particular da autora e sua percepção do mundo, e “A criação do mundo, uma história Maori”, da Cia. Pavio de Abajour, companhia com intensa pesquisa em teatro de sombras. 

Em Teatro, a obra “A não ser”, de Giovanni Venturini, de São Paulo, traz reflexões cotidianas com uma perspectiva poética sobre a questão do nanismo e a identidade única de cada ser e para sua aceitação com as diferenças. Já em Mostra curta-peça-metragem, “Monstro também têm sentimentos”, da paulistana Companhia Artera de Teatro, aborda o tema da adoção homoafetiva e a intolerância com registro de imagens e depoimentos de casais homoafetivos.

 

O que rola nesta edição?

Em Contação de História a obra “Pérolas da Sereia”, do grupo paulistano “Água de Chocalho”, é inspirada nos contos afro-brasileiros e exalta o conhecimento ancestral e o empoderamento feminino. Além dela, outras duas obras integram a programação nesta linguagem. 

Relacionado às inquietações trazidas pela pandemia e a construção de identidade de uma população periférica, o trabalho “Barroca em Três Atos”, do Coletivo BarrÓka, da cidade de Franco da Rocha, é um dos destaques da Mostra Curta-Peça-Metragem. A mostra também conta com “Labirinto”, da Cia dos Infames juntamente com a Cia Dramática em Exercício, que trazem como perspectiva a solidão e solitude da mulher e seus fantasmas entre os labirintos da mente; “Bruta Mirada”, da Cia Dual, traz a ancestralidade como forma de encontro, onde a maneira documental também é um convite a enxergar as frestas de muitos sertões; “Baile de Máscaras – Especial Fim de Ano 2020”, que parodiando o especial de fim de ano das emissoras de televisão recebe visões ambíguas do futuro distópico e “Essa Mensagem Foi Apagada”, da Reversa Companhia de Teatro, da cidade de Indaiatuba, ambas trazem a perspectiva de artistas de diversas áreas sobre as suas relações com as redes sociais. 

A Dança toma conta da programação com “I’M A LIVE”, do Grupo de Artes Soma, e questiona a presença e a ausência do corpo no mundo real e no mundo virtual; “Singularidades na Pandemia”, do Núcleo de Pesquisas Mercearia de ideias,  é um trabalho de dança contemporânea em vídeo que traz desejos, manifestos medos e revoltas atravessados durante a pandemia; “Engasgadas, um Ensaio para Regurgitar o Mundo ”, da Companhia Zona Agbara, é um ensaio para regurgitar o mundo que traz reflexões sobre o autocuidado e o enfrentamento às diversas mazelas sofridas por corpos gordos e femininos na atualidade. 

Na Música, a multiartista Anná, da cidade de Mococa, abre o festival com o show “Colar” que através de colagens, transita por diversos ritmos musicais. Mariana Per, em “Palavra Mulher” apresenta falas potentes de mulheres negras como as de Conceição Evaristo, Neide Almeida, Debora Garcia e Carmen Faustino em forma de canção. Já “Engrenagem Urbana 10 anos”, de São Paulo, apresenta seu repertório de 10 anos de turnês, som que mescla rap, mpb, jazz e literatura urbana.

As Performances trazem “BATU”, do Ieltxu Ortueta ( Artefactos Bascos), de Cunha, que propõe novas maneiras e possibilidades de criar o jogo. “INSTALAÇÃO TÖTĖM ÅNŪČĮÄÇÃØ”, da Farra ColetivA, traz as inquietações das frequências tecnológicas que constroem de forma algorítmica o programa para o Fim do Mundo. Há também “O Híbrido”, de Robson Catalunha, de São Paulo, que é uma investigação sobre a relação entre indivíduos que borram as fronteiras entre espécies, raças, credos, gêneros ou quaisquer padrões comportamentais; “Se Joga 180X260”, do Núcleo Ximbra, traz as experiências dos artistas dentro de seus territórios durante a pandemia com suas narrativas de como é ser um artista periférico.

“Manifesto Esclera - Alvejada de Cor”, de Conceni Paulina, também integra a programação de performance. A obra denuncia e propõe ao espectador a reflexão sobre o genocídio da população negra, tirando o expectador do conforto. “Haikorpos”, do Coletivo MÓ, de Campinas, apresenta a performance inspirada nos haicais japoneses. 

Em Intervenções Artísticas, “BRUIT”, do Agrupa, traz a intersecção do parkour e da improvisação em dança-teatro, onde dois corpos compartilham seus pensamentos experienciando confiança e a revelação de seus ruídos internos. “GENDERLESS - Um Corpo Fora da Lei”, da Transludica Centro de Criação, traz a história real de Norrie May Welbi, que nasce menino, se assume socialmente menina, e ao longo de sua vida ultrapassa desafios e se torna referência mundial para causas Transexuais Não Binárias. 

As obras “Pelo Colarinho”, de Caetano Romão e “Viajar com alguém não seria sonhar a mesma coisa?”, de Camilla Loreta, ambos de São Paulo, são trabalhos de Intervenção Literária. A primeira tem como aliado o acordeão, que expressa poeticamente a vivência de um corpo masculino homossexual com seus conflitos e desejos. Já a segunda obra é um “vídeo poema ode” à Virginia Woolf, no qual são registradas caminhadas da artista em espaços por onde pode ter passado, numa atmosfera que remete ao seu livro “A Viagem”, de 1915. 

Em Teatro, os trabalhos todos são de artistas de São Paulo, como “Freud-Einstein, Maio de 1933”, do Circo Mínimo, realizado no formato digital, nascido na era pandêmica, que mostra uma trupe circense ensaiando um texto que debate o pensamento dos dois ícones mundiais da ciência. Do grupo Vulcão, “Águas do Mundo”, é fruto da pesquisa a partir do romance “Uma Aprendizagem ou Livro dos Prazeres”, de Clarice Lispector, um deslocamento da literatura para a cena.

Já em Circo, a obra “Purpúria”, de Marina Viski e Veronica Piccini, das cidades de São Paulo e Sorocaba, mescla dança, audiovisual e performance, trazendo o desconforto, o medo e o sentimento distópico deste momento pandêmico sem esquecer da liberdade e da força deste corpo presente. “Quando acordei, o circo já tinha ido embora”, da Trupe Trapaceros, de Franco da Rocha, trata de memórias de infância gestadas pelos circos itinerantes que armavam suas lonas às margens do Rio Juquery. Em “Pelo Buraco da Fechadura”, da Cia Suno, de Campinas, a diversão e vida dos palhaços não são abalados com a pandemia, e fazem de sua própria casa um grande espaço de diversão. 


TEIMA

É um festival multilinguagem, transmitido ao vivo, em mais de 15 horas distribuídas na exibição de trabalhos de teatro, música, dança, performance, contação de histórias, literatura, circo e a mostra curta-peça-metragem (que mescla teatro com a linguagem cinematográfica).

Realizado por meio da parceria entre três produtoras sediadas na cidade de São Paulo: a Ventania Cultural, a Cotiara Produtora e a RIMA Coletiva, o festival surgiu como um pulso, uma forma de renascimento em tempos obscuros.


Plataforma de transmissão Netshow.me

O TEIMA acabou se conectando com uma nova plataforma, a Netshow.me, para a realização do festival. A plataforma que se disponibilizou em 2020, quando o festival acontecia de forma totalmente independente, transmitiu 12 horas de programação sem problemas de oscilação ou conexão, sendo assim, mantida a parceria para a realização da segunda edição do Festival. 

Além da gratuidade desta edição, ele terá tradução em LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) em toda sua programação, a fim de democratizar o acesso de diferentes públicos.

***

*curtas-peças-metragens são trabalhos cênicos, de 15 a 25 minutos, mediados pelo audiovisual. É vídeo, mas não é cinema. É peça, mas não é palco. É um flerte amoroso, onde o teatro e o cinema se namoram. O trabalho não é apresentado ao vivo, é elaborado e filmado previamente.

 

PROGRAMAÇÃO GRATUITA PELA PLATAFORMA NETSHOW.ME

Sábado, 06 de março

15h – Música |Anná 
Duração: 45 min | Classificação: Livre 

15h50 – Contação de Histórias | Pérolas da Sereia 
Duração: 30 min | Classificação: Infantil

16h20 – Performance |Haikorpos 
Duração: 16 min | Classificação: Livre 

16h35 – Intervenção Artística | BRUIT  
Duração: 15 min | Classificação: Livre 

16h50 – Performance |O Híbrido  
Duração: 15 min | Classificação: Livre 

17h05 – Mostra peça-curta-metragem | Baile de Máscaras   
Duração: 17 min | Classificação: Livre 

17h20 – Literatura | Sankofa 
Duração: 30 min | Classificação: Adulto

17h50 – Mostra peça-curta-metragem | Monstro
Duração: 32 min | Classificação: Adulto

18h20 – Manifesto Esclera |Performance
Duração: 17min | Classificação: Adulto

18h35 – Teatro | A Não Ser
Duração: 27min |Classificação: Livre 

19h – Dança | I’M A LIVE  
Duração: 35 min | Classificação: Adulto

19h35 – Circo | Purpúria   
Duração: 40 min | Classificação: Livre

 

Sábado, 13 de março

15h – Circo | Quando acordei... 
Duração: 50 min | Classificação: infantil

15h55 – Performance | BATU  
Duração: 31 min | Classificação: infantil

16h25 – Contação de Histórias | História de por quês 
Duração: 30 min | Classificação: infantil

16h55 – Intervenção Artística | Mel Maranhão
Duração: 25 min | Classificação: livre

17h20 – Mostra peça-curta-metragem | Barroca em Três Atos
Duração: 20 min | Classificação: livre

17h40 – Literatura | Pelo colarinho 
Duração: 20 min | Classificação: adulto

18h – Performance | SE JOGA 180X260 
Duração: 25 min | Classificação: livre

18h25 – Mostra peça-curta-metragem | Labirinto
Duração: 18 min | Classificação: adulto

18h45 – Dança | Engasgadas  
Duração: 35 min | Classificação: adulto

19h20 – Música | Engrenagem Urbana 
Duração: 50 min | Classificação: adulto

20h05 – Teatro | Águas do Mundo  
Duração: 42min | Classificação: adulto

 

Sábado, 20 de março

15h – Contação de Histórias | Asas de Manacá 
Duração: 30min | Classificação: infantil

15h35 – Circo | Pelo buraco da ... 
Duração: 35min | Classificação: livre

16h05 – Intervenção Artística | Pavio de Abajour
Duração: 15min | Classificação: livre

16h20 – Dança | Singularidades 
Duração: 50min | Classificação: livre

17h10 – Performance| INSTALAÇÃO TÖTĖM ÅNŪČĮÄÇÃØ
Duração: 15min | Classificação: adulto

17h30 – Teatro | Freud-Einstein, Maio de 1933
Duração: 60min | Classificação: livre

18h30 – Literatura | Viajar com alguém ...
Duração: 15min | Classificação: adulto

18h55 – Mostra peça-curta-metragem | Essa Mensagem Foi Apagada 
Duração: 25min | Classificação: adulto

19h20 – Intervenção Artística | GENDERLESS 
Duração: 18min | Classificação: adulto

19h35 – Mostra peça-curta-metragem | Bruta Mirada  
Duração: 25min | Classificação: livre

20h – Música | Mariana Per 
Duração: 45min | Classificação: adulto


 

Informações para a imprensa:
Canal Aberto Assessoria de Imprensa
Márcia Marques -
marcia@canalaberto.com.br - 11 99126 0425
Kelly Santos
-
kelly@canalaberto.com.br - 11 95630 3505
Daniele Valério -
daniele@canalaberto.com.br - 11 98435 6614

Compartilhar :