descricao

Após passagem pela 5ª edição da MITsp, A produtora croata Iva Horvat volta ao brasil para falar sobre internacionalização das artes cênicas em mais cinco festivais internacionais

 

Cinco festivais que integram o Núcleo de Festivais Internacionais de Artes Cênicas no Brasil, em diferentes estados, recebem a croata Iva Horvat, especializada em estratégias e mobilidade em artes performáticas com o objetivo de aumentar a circulação das artes cênicas brasileiras no exterior

 

Iva Horvat estará em São Paulo, no Sesi-SP pela MITsp, e em cinco festivais do Brasil: Cena Contemporânea/DF, Porto Alegre em Cena/RS, CAMBIO.FIT/PE, FIAC BAHIA/BA e TEMPO_FESTIVAL/RJ


Depois de sua vinda para a 5ª edição da MITsp - Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, em março desse ano, a artista e produtora croata Iva Horvat, que reside em Barcelona (Espanha), retorna ao país a convite do Núcleo dos Festivais Internacionais de Artes Cênicas, com apoio do Ministério das Relações Exteriores, do Ministério da Cultura do Brasil e do Sesi-SP.

Especializada no tema que norteia seu trabalho à frente da agência Art Republic, Iva Horvat foi convidada pela MITsp para coordenar o workshop sobre o assunto em março desse ano. Sua vinda despertou interesse nacional, fazendo com que o workshop recebesse adesão de participantes do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais, Pernambuco, Bahia e São Paulo, entre outros estados. O sucesso também incentivou outros festivais a convidá-la para oferecer o primeiro módulo do workshop, direcionado a artistas, produtores, gestores e curadores de artes cênicas. Em São Paulo, Iva apresentará o segundo módulo da atividade, direcionado apenas aos que participaram do primeiro módulo, entre 22 e 26 de setembro, das 10h às 14h, no Sesi-SP.

Nesta sua passagem pelo Brasil, Iva tem datas confirmadas no festival Cena Contemporânea/DF, de 28 a 31 de agosto; no CAMBIO.FIT/PE, em Recife, com palestra no dia 4 de setembro e workshop de 5 a 9 de setembro; no Porto Alegre em Cena/RS, de 13 a 17 de setembro; no FIAC Bahia/BA, de 23 a 28 de outubro; e no TEMPO_FESTIVAL /RJ, de 22 a 27 de outubro.
 

“Na última edição do ‘Santiago a Mil’, no Chile, foi observado que mais de 120 obras chilenas apresentadas no festival circularam fora do país, o equivalente a 70% das peças já apresentadas por lá”, conta Paulo Feitosa, produtor e gestor cultural. O mesmo festival apresentou na sua última edição em janeiro de 2018 mais de 40 espetáculos chilenos para cerca de 400 programadores de diversas regiões do mundo, selecionados de acordo com afinidades e cruzamento de interesses.
 

Um dos principais objetivos dos workshops é indicar caminhos para se alcançar produtores estrangeiros. No primeiro módulo, ela desenvolve um plano de internacionalização de projetos teatrais, partilhando técnicas para estudo das participações em festivais e os principais destaques do trabalho artístico que está sendo avaliado. São orientadas formas de apresentar a obra a produtores e programadores estrangeiros de modo estratégico, bem como a divulgação do próprio trabalho para outro público, que não o nacional. Também são feitos exercícios práticos acerca da viabilidade de projetos no exterior.

No segundo módulo, que será realizado no Sesi-SP, o objetivo será abordar maneiras de atingir mercados e ambientes de visibilidade, analisar e planificar projetos, criar estratégias de internacionalização e colocá-las em prática.

 

A Internacionalização das Artes no Brasil

Em 2018, na 5ª edição da MITsp, a proposta da mostra foi ampliada com a criação da MITbr – Plataforma Brasil (programa de internacionalização das artes cênicas brasileiras), eixo que trouxe ao Brasil 27 programadores/curadores internacionais, além de 15 brasileiros, para assistirem a 13 obras nacionais recentes. Esse intercâmbio cultural gerou a necessidade de discutir e repensar a proposta da internacionalização das artes no Brasil, bem como os mecanismos para gerar interesse e levar espetáculos locais para festivais e espaços culturais de outros países.

“Junto com Antônio Araújo, diretor e idealizador artístico da Mostra, fizemos um mapeamento de mostras internacionais para elencar os nomes dos curadores convidados, levando em conta as possibilidades de desdobramento de diálogo dos trabalhos nacionais com a cena do exterior”, conta o idealizador e diretor geral de produção da MITsp,  Guilherme Marques.

Foi a partir dessas reflexões que as propostas do atual workshop se mostraram essenciais para a MITsp e, sucessivamente, a outras mostras brasileiras que reconheceram a importância de inseri-las em suas programações. “Nós temos grandes profissionais em gestão e produção cultural, mas muitos deles ainda não têm entrada no mercado externo, falta a política de internacionalização”, conta Guilherme. Do ano passado para cá, o produtor foi a mais de 10 festivais internacionais na Europa e América Latina e, na maior parte deles, não havia nenhuma participação brasileira na programação.
 

“Muitas produções brasileiras da atualidade abordam discussões como processos migratórios, feminicídio, racismo, questões de gênero e outros assuntos em pauta na contemporaneidade. Esses projetos artísticos são completamente aptos para participarem de mostras internacionais, então avaliamos que parte do problema está mesmo na comunicação com as pessoas certas e interessadas em levar os grupos para fora”, diz Guilherme Marques.
 

O gestor cultural e produtor Paulo Feitosa, um dos mediadores do seminário sobre internacionalização das artes cênicas brasileiras na última edição da MITsp, afirma que “é muito importante que artistas japoneses conheçam o nosso trabalho, ou que os argentinos saibam o que está sendo feito no Ceará, por exemplo. São relações essenciais para que a reflexão sobre a arte ganhe novos contornos”.

Paulo ressalta que circular também é importante para desconstruir muitas das imagens historicamente associadas ao Brasil, como a ligação imediata do país ao carnaval, ao samba e à bossa-nova, por exemplo. “Alguns estereótipos precisam ser reconfigurados no imaginário dos estrangeiros e a circulação de obras é essencial para oferecer esse novo repertório sobre nós”, conta.

 

Desafios da circulação internacional das Artes cênicas

A circulação internacional e até mesmo a local passam por uma realidade complexa que envolve a gestão pública direcionada às artes cênicas e também sua utilização. Em 2014, Paulo identificou que o orçamento inteiro do Chile destinado à cultura não equivalia a um terço do investido no estado do Ceará, mas ainda assim havia uma entrega muito maior de espetáculos e de repercussão entre o público. Para ele, um fator que justifica o dado é a formulação de políticas públicas voltadas para o incentivo à arte no campo educacional, por exemplo.

“O Chile tem um programa de mobilidade que é a maior plataforma de artes cênicas da América Latina, além de diversos acordos com festivais e curadores do mundo inteiro, e é essa política que torna o país tão ativo artisticamente”, diz Paulo.

O gestor enxerga o campo cultural como um ecossistema em que itens como formação, criação, produção, difusão e circulação caminham juntos para criar um ambiente mais favorável às artes cênicas, sendo as duas últimas características as mais impulsionadas pelas experiências de levar para fora do Brasil as produções locais.

 

Sobre Iva Horvat

Nascida na Croácia, em 1972,  é professora universitária de cinesiologia, bailarina, coreógrafa e diretora teatral. Ao lado de Alise Garriga, fundou e dirige a agência Art Republic, especializada em estratégias e mobilidade em artes performáticas. Mentora e professora em gerenciamento e distribuição. Integra a equipe de Produtores Criativos Grand Theatre Groningen, na Holanda. Ministra aulas e workshops sobre vendas internacionais e distribuição de artes cênicas em toda a Europa, Ásia e Américas.

 

Serviços

Workshop Como internacionalizar o seu projeto
 

Cena Contemporânea - Festival Internacional de Teatro de Brasília

Workshop - 28 a 31 de agosto, das 9h às 12h.

Local: Curso de Teatro do IESB, 613 Sul


CAMBIO.FIT/PE - Festival Internacional de Teatro de Pernambuco

Palestra – 4 de setembro, às 19h. Local: Caixa Cultural – Av. Alfredo Lisboa, 505

Workshop – 5 a 9 de setembro, das 14h às 18h.

Local: Centro Cultural Benfica – R. Benfica, 157, Madalena

 

Porto Alegre em Cena – Festival Internacional de Artes Cênicas

Workshop - 13 a 17 de setembro, das 9h30 às 13h30.

Local: Teatraria³ - Rua dos Andradas 665, Centro Histórico

 

MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo 

Workshop - 2º Módulo - 22 a 26 de setembro, das 10h às 14h.

Local: Espaço Mezanino do Sesi-SP (Centro Cultural Fiesp) - Avenida Paulista, 1313, Cerqueira César

 

TEMPO_FESTIVAL – Festival Internacional de Artes Cênicas do Rio de Janeiro

Workshop - 22 a 27 de outubro – Rio de Janeiro

 

Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia – FIAC BAHIA

Workshop - 23 a 28 de Outubro – Bahia

 

Para entrevistas, fotos e outras informações:
Canal Aberto Assessoria de Imprensa
Márcia Marques | Daniele Valério
Fones: 11 2914 0770 Celular: 11 9 9126 0425 (Márcia) | (11) 9 8435 6614 (Daniele)

Compartilhar :