descricao

As Mamas de Tirésias, drama surrealista que mescla desespero e humor, estreia na Oficina Cultural Oswald de Andrade sob direção de André Capuano

 

 “[O texto As Mamas de Tirésias] apresenta uma realidade que se aproxima do Brasil atual, em que múltiplos discursos estão sobrepostos, gerando choques constantes que precisam ser observados e urgentemente colocados no campo da criação artística se quisermos avançar”, André Capuano

 

O espetáculo, com duas horas e meia de duração, é resultado de acúmulos: de absurdos, de cenários, de figurinos, de bebês macabros, de entulho e lixo

 

O escritor e crítico de arte francês Guillaume Apollinaire (1880 – 1918) é conhecido por ter inaugurado o termo surrealismo nas artes. A peça As Mamas de Tirésias, de sua autoria, foi escrita em 1903 e é reconhecida por muitos como a obra que inaugurou o termo do movimento vanguardista. A partir do dia 1º de fevereiro de 2020, o diretor André Capuano estreia uma montagem desse texto na Oficina Cultural Oswald de Andrade. No elenco estão as atrizes Gilka Verana, Ana Paulla Mota e Priscilla Carbone. Também está em cena Almir Rosa como O Povo de Zanzibar, personagem representado pela discotecagem do espetáculo. A temporada vai até 25 de abril, aos sábados, às 11h.

Além da peça, haverá também uma oficina de teatro ministrada pelo diretor e elenco do espetáculo e uma mostra de cinema surrealista que levará à Oswald de Andrade filmes icônicos que correspondem à essa temática, como Cidade dos Sonhos e O Anjo Exterminador (os detalhes da programação paralela seguem abaixo).

O drama surrealista As Mamas de Tirésias conta a história de Teresa, que ao romper com seu marido - um homem alucinado por toucinhos - o amarra, se veste com suas roupas, corta as próprias mamas e reivindica a liberdade assumindo a identidade de General Tirésias. Em seguida, ela inicia uma campanha contra a procriação. Seu marido, numa afronta, gera sozinho dezenas de milhares de bebês macabros. O enredo, absurdo, se soma a uma escrita fragmentada e em versos, elementos representativos da dramaturgia de Apollinaire.

Em processo de criação há três anos, a equipe composta pelas três atrizes fez o convite para que André Capuano dirigisse a peça. “O acordo que fizemos quando assumi a direção era de que materializássemos ao extremo todos elementos propostos pelo texto, com cada atriz concebendo cada cena a partir de suas próprias inquietações e vontades artísticas”, conta André.

Segundo o diretor, as cenas propostas eram muito diferentes entre si e, não raro, uma contrapunha a outra, o que gerou a concepção da peça. A dificuldade de olhar para a peça como um todo, por causa das diferentes visões apresentadas pelas atrizes, se revelou o gesto principal do espetáculo. A solução foi o aproveitamento máximo das propostas trazidas por cada uma das atrizes para cada parte do texto. Em seguida, André selecionou e sobrepôs os materiais criados, acrescentando também sua visão e conduzindo a criação coletiva das versões finais das cenas e do espetáculo.

______________________________________

Além de anteceder muitas das inovações dramáticas vistas até hoje, Apollinaire usa o mito do profeta cego de Tebas, Tirésias, para provocar reflexões sobre igualdade de gênero, o militarismo ostensivo e a manipulação midiática. A peça foi escrita diante do clima de destruição, desilusão e incerteza causado pelos horrores da Primeira Guerra Mundial. No texto, ele renuncia à lógica discursiva e da “seriedade” ao lidar com as questões de sua época.

_____________________________________


“Nós tínhamos três versões e discursos completamente diferentes entre si - esse choque dialoga com a postura de Apollinaire, que após ter retornado ferido da Primeira Guerra Mundial, revisou o texto e escreveu uma análise absolutamente contraditória com todo discurso que a obra carregava até então. Essa também é uma realidade que se aproxima do Brasil atual, em que múltiplos discursos estão sobrepostos, gerando choques constantes que precisam ser observados e urgentemente colocados no campo da criação artística se quisermos avançar”, conta Capuano.

Além de uma possível leitura sobre o Brasil contemporâneo, a peça também lança um olhar sobre a questão da emancipação feminina. Segundo a equipe, é simbólico que ao ser abandonado por Teresa, seu ex-marido assume para si uma responsabilidade de dar conta do mundo e acabe gerando milhares de criaturas macabras.

As Mamas de Tirésias é uma peça de reinvindicação e elogio à liberdade do teatro, fundamental em tempos de emergência poética, de sufocamento causado pelo avanço do conservadorismo, do ódio e da intolerância”, diz Gilka Verana. A trilha sonora composta coletivamente é fragmentada e, em seus retalhos, traz desde os sons de uma guerra em processo até músicas brasileiras de artistas como Tim Maia e A Cor do Som. A discotecagem fica por conta do ator e DJ Almir Rosa, que assume o papel do Povo de Zanzibar. 


SOBRE A CONCEPÇÃO CÊNICA
Para materializar o absurdo do texto, Capuano apostou em uma estética do precário e do excesso. A cada cena, se sobrepõem figurinos, adereços e objetos utilizados no momento anterior. O acúmulo vai se formando por todo o ambiente cênico e resulta em um amontoado de resíduos. “É a escolha de uma linguagem. O entulho, o lixo e a sensação das sobras diz muito sobre a contradição de discursos, sobre as relações fragmentadas”, conta o diretor. Compõem esse espaço confetes de carnaval, tecidos, groselha, macarrão instantâneo, tomates e muito mais.

As três atrizes interpretam todos os personagens da peça e se alternam em cada um dos papéis. Os figurinos, trocados com frequência, são compostos por roupas puídas, velhas, indicativas desse ambiente inóspito que vai sendo construído. “A sala de espetáculo que estamos ocupando, que nunca havia sido usada para apresentações, se torna uma espécie de instalação repleta de precariedade. Entendemos que uma beleza previsível e propagada, aceita à priori por causa de um bom gosto institucionalizado, poderia matar nosso trabalho”, diz Capuano.

A peça também propõe duas aproximações diretas com o público. Uma delas é quando as atrizes movem o cenário de forma a transformá-lo em um bar. Se desejarem, as pessoas podem beber algo e comer os petiscos servidos na hora ao som das músicas selecionadas pelo Povo de Zanzibar. Já ao final do espetáculo será servida feijoada a quem tiver solicitado o prato antes do início da peça, conforme indicação da produção. O alimento faz referência à paixão desenfreada do ex-marido de Teresa por toucinho.


SOBRE GUILLAUME APOLLINAIRE
Guillaume Apollinaire foi um poeta, escritor e crítico de arte francês considerado um dos mais importantes ativistas culturais da França no início do século XX. Ficou conhecido por sua poesia sem pontuação e por ter influenciado os movimentos de vanguarda que revolucionaram o cenário artístico europeu da época. Sua obra literária é vasta e fragmentada, tendo sido publicada durante quase duas décadas em jornais, revistas, panfletos e livros. Percorreu todos os gêneros – poesia, prosa, teatro, ensaios, crítica e anunciava os princípios de uma nova estética que tinha como fundamento a ruptura com os valores do passado.

Em 1916, em plena Primeira Guerra Mundial, Apollinaire alista-se no exército francês e é gravemente ferido em batalha. Durante sua recuperação finaliza Les Mamelles de Tirésias, peça escrita em 1903, mas que sofreu drásticas alterações devido sua experiência com a guerra. O drama que mescla desespero com humor, nomeado por ele surrealista, teve sua primeira estreia em 24 junho de 1917. Um ano depois ele morre vítima da gripe espanhola, doença pandêmica que também chegou ao Brasil. Foi enterrado no cemitério de Père-Lachaise em Paris, tendo em seu túmulo uma escultura feita por seu amigo e artista Pablo Picasso.


SINOPSE
Três atrizes mergulham no drama surrealista de Guillaume Apollinaire para contar a história de Teresa, que amarra seu ex-marido, se veste com suas roupas, sai de casa lutando por liberdade e inicia uma campanha em Zanzibar contra a procriação. Seu ex-marido, em resposta, gera sozinho, num só dia, 40.050 crianças que assumem formas macabras.


OFICINA E MOSTRA DE FILMES

Oficina Materialidade Cênica - Experimentos Surrealistas
A partir dos procedimentos provenientes do processo criativo de As Mamas de Tirésias, a oficina propõe uma exploração cênica que tem como disparador princípios surrealistas. Apoiado em referências na literatura e no teatro, os participantes serão convidados a estabelecer uma conexão livre com a imaginação e com percepções do mundo ao seu redor, para criação de cenas que em sua materialidade apresentem uma realidade que extrapola os limites da lógica, proporcionando um mergulho no mundo do inconsciente e do misterioso.

Duração: Entre 2 e 25 de março de 2020. Segundas e quartas, das 18h às 21h30.
Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro, São Paulo).
Público-alvo: artistas, estudantes de arte e público geral. Maiores de 18 anos. Vagas: 20.
Coordenação: André Capuano, Ana Paulla Mota, Gilka Verana e Priscilla Carbone.


Mostra de Cinema Surrealista
Entre 29 de fevereiro e 28 de março. Sábados, às 18h
Coordenação: Gilka Verana

29/2 – O Anjo Exterminador
Direção: Luis Buñuel | Duração: 1h 35min | Classificação: Livre

(México, 1963, Fantasia, Drama)

Um casal da elite aristocrata convida um grupo de amigos para um jantar em sua luxuosa mansão. Depois do evento, eles descobrem que estão presos num dos cômodos. Não há nada físico que os prenda ali, porém ninguém consegue sair ou entrar daquele local porque algo os faz de reféns. Enquanto os dias passam, todas as máscaras e convenções sociais vão desaparecendo, dando lugar aos instintos mais primitivos de cada um.

7/3 – As Pequenas Margaridas
Direção: Vera Chytilová | Duração: 1h14min | Classificação: 16 anos

(Thecoslováquia, 1966, Comédia, Drama)

Utilizando-se de avançados efeitos especiais para a época, Vera Chytilová dirigiu esta obra surrealista que conta a história de duas garotas que partem para uma jornada de travessuras para desconstruir o mundo ao seu redor.

14/3 – A Montanha Sagrada
Direção: Alejandro Jodorowsky | Duração: 1h 54min | Classificação: 18 anos

(EUA, México, 1973, Aventura, Fantasia, Drama)

Ladrão (Horacio Salinas) perambula por estranhos cenários repletos de símbolos religiosos e pagãos. Um guia espiritual (Alejandro Jodorowsky) o apresenta a sete pessoas, cada uma representante de um planeta do sistema solar. Então, o grupo segue para a Montanha Sagrada com o intuito de ocupar o lugar dos deuses imortais que lá vivem e dominam o mundo.

21/3 – Cidade das Mulheres
Direção: Federico Fellini | Duração: 2h 20min | Classificação: 14 anos

(França, Itália, 1980, Comédia Dramática)

Durante uma viagem de trem, Snàporaz (Marcello Mastroianni, como o alter ego de Fellini) é seduzido por uma bela mulher. Ele vivência uma fantasia que é metade sonho e metade pesadelo, na Cidade das Mulheres, um lugar onde ele é reverenciado e julgado ao mesmo tempo, pelo fato de ser o único homem.

28/3 – Cidade dos Sonhos
Direção: David Lynch | Duração: 1h 54min | Classificação: 16 anos

(EUA, França, 2002, Fantasia, Suspense, Drama)

Um acidente automobilístico na estrada Mulholland Drive, em Los Angeles, dá início a uma complexa trama que envolve diversos personagens. A partir daí as vidas de Rita (Laura Harring), Coco (Ann Miller) e Betty (Naomi Watts) se cruzam nessa trama. Em outra parte da cidade, o cineasta Adam Kesher (Justin Theroux), após ser espancado pelo amante da esposa, é roubado pelos sinistros irmãos Castigliane.
 

SOBRE OS ARTISTAS

André Capuano (diretor)
Ator e diretor, formado pela Escola de Arte Dramática de São Paulo. Desenvolve pesquisa sobre teatro performativo. É parceiro artístico de diversos coletivos teatrais, dentre eles Cia São Jorge de Variedades e Talado de Arruar. Seus mais recentes trabalhos são Trilogia Abnegação e Pornoteobrasil, com Tablado de Arruar; Canto das Mulheres do Asfalto, com direção de Georgette Fadel; Refúgio, de Alexandre Dal Farra e Tatianices, com Cia Pé no Canto. Desde 2014 dirige as criações e faz a coordenação da pesquisa de arte urbana de Corpo_Cidade.

Gilka Verana (atriz)
Atriz, Mestre em Performance e Cultura – Perspectivas Interdisciplinares pela Goldsmiths College, Bacharel em Prática Teatral: Performance e Arte pela Royal Central School of Speech and Drama, e Pós-graduada na metodologia de Jacques Lecoq na London International School of Performing Arts – LISPA em Londres - Inglaterra. Seus mais recentes trabalhos são Feminino Abjeto, com direção de Janaina Leite, Corpo_Cidade_Rotinas_Ficção, com direção de André Capuano e Corpo_Cidade_Bom_Retiro com direção de André Capuano e Paula Petreca.

Priscilla Carbone (atriz)
Atriz, licenciada e Mestre em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo. Pós-Graduada em Laban pelo Instituto Sedes Sapientiae/SP e especialização em dança pelo do Centro em Movimento (C-E-M), Lisboa-PT. Trabalhou como performer, atriz e dançarina com os diretores: Verônica Veloso, Antonio Januzelli, Rafael Rios Filho, Beth Lopes, Patrícia Noronha, Rafael Truffaut, Sidmar Gomes, Teresa Borges, entre outros.

Ana Paulla Mota (atriz)
Atriz, autora e contadora de histórias. Morou nove em Londres, onde estudou teatro físico e mímica com Desmond Jones e concluiu uma pós-graduação na metodologia de Jacques Lecoq na LISPA (London International School of performing Arts). Participou de várias performances teatrais em Londres. Atualmente integra o elenco da peça As Mamas de Tirésias e desenvolve espetáculo solo autoral.

 

FICHA TÉCNICA

Texto: Guillaume Apollinaire
Direção: André Capuano
Atuação: Ana Paulla Mota, Gilka Verana e Priscilla Carbone
Discotecagem e operação de som: Almir Rosa
Coreografias: Paula Petreca
Direção de arte: André Capuano
Cenografia: Julio Dojcsar
Figurino: Julio Dojcsar, Ana Paulla Mota, Gilka Verana e Priscilla Carbone
Assistência de palco e assistência de produção executiva: Muninn Constantin
Locução: Marcelo Rocha
Fotos: Fábio Amaro e André Capuano
Produção: Gilka Verana e Weber Anselmo Fonseca

 

SERVIÇO

As Mamas de Tirésias
01 de fevereiro a 25 de abril de 2020. Sábados, às 11h.
Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro, São Paulo).
Ingressos: Grátis. Duração: 150 minutos. Gênero: Drama surrealista.
Classificação Indicativa: 18 anos.

 

Assessoria de Imprensa
Canal Aberto
Márcia Marques | Daniele Valério | Diogo Locci
Contatos: (11) 2914 0770 | 9 9126 0425 | 9 8435 6614 | 9 9906 0642

marcia@canalaberto.com.br | daniele@canalaberto.com.br | diogo@canalaberto.com.br

 

 

Compartilhar :