descricao

ESPAÇO CÊNICO DO SESC POMPEIA É REINAUGURADO COM “MONSTRA”, DE ELISABETE FINGER E MANUELA EICHNER

Apresentada de 12 a 14 de abril, coreografia-colagem mistura dança e artes plásticas


Uma coreografia-colagem para pessoas e plantas. Essa é a proposta da performance “Monstra”, apresentada no Sesc Pompeia de 12 a 14 de abril, quinta a sábado, às 21h. O espetáculo criado e dirigido por Elisabete Finger e Manuela Eichner reinaugura o Espaço Cênico da unidade, fechado para reformas desde 2017.

MONSTRA é uma sequência de células coreográficas independentes, blocos de ações se colam e se separam uns dos outros com certa brutalidade, como se fossem cortados com uma tesoura. Dentro de cada bloco, há um enunciado comum, mas cada conjunto pessoa-planta responde a ele de forma distinta, construindo a cada novo corte uma não-totalidade: uma colagem, uma comunidade, um ecossistema, uma “monstra”.

A apresentação traz uma mistura entre dança e artes plásticas e nasceu do encontro entre Elisabete Finger (coreógrafa) e Manuela Eichner (artista visual). As colagens e as plantas da instalação “Monstera Deliciosa”, de Eichner, cruzam as atuais estruturas coreográficas fragmentadas e os estudos para “Monstro”, de Finger, formando um conjunto multifacetado vegetal-animal, orgânico-artificial.

O corpo é tomado como matéria (carnes, ossos, órgãos, líquidos, peles, pelos) e a reorganização desta matéria revela uma fonte de possibilidades. Corpos invertidos, torcidos, cortados e colados. Corpos sem cabeça – como os de Bataille e Masson – corpos sujeitos a outras lógicas, menos funcionais e racionais, mais sensoriais e sensíveis.  

Estes corpos dividem e negociam seu espaço com plantas. Plantas em vasos, essa pequena porção de natureza que nos cabe, o que conseguimos transportar, carregar, cuidar, enfeitar, cozinhar, beber e comer.
 

SERVIÇO:

Monstra

De Elisabete Finger e Manuela Eichner

Reinauguração do Espaço Cênico do Sesc Pompeia
De 12 a 14 de abril de 2018, de quinta-feira a sábado, 21h

Espaço Cênico

Ingressos: R$ 6,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 10,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 20,00 (inteira).

Duração: 50 minutos
 

Ficha técnica

Direção: Elisabete Finger e Manuela Eichner

Criação e performance: Barbara Elias, Danielli Mendes, Josefa Pereira, Mariana Costa, Patrícia Bergantin

Figurino: Lu Mugayar

Fotografia: Debby Gram 

Produção: Carolina Goulart

Apoio: Casa Juisi e Casa Líquida

Classificação indicativa: 18 anos

Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93, Pompeia - São Paulo
Não temos estacionamento. Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/pompeia

Nos acompanhe!
instagram.com/sescpompeia
facebook.com/sescpompeia
twitter.com/sescpompeia

Para credenciamento, encaminhe pedidos para imprensa@pompeia.sescsp.org.br
 

Assessoria de Imprensa
Com Canal Aberto
Márcia Marques | Carol Zeferino | Daniele Valério
Contatos: (11) 2914 0770 | 9 9126 0425

marcia@canalaberto.com.br | carol@canalaberto.com.br | daniele@canalaberto.com.br

 

Assessoria de Imprensa Sesc Pompeia:
Fernanda Porta Nova e Guilherme Barreto
Estagiários: Camila Cetrone e Matheus Morgado
Coordenador de comunicação: Igor Cruz
Telefone: (11) 3871-7720 / 7776

imprensa@pompeia.sescsp.org.br


 

MATERIAL DE APOIO

Elisabete Finger é coreógrafa e performer, foi artista residente da Casa Hoffmann (Curitiba, 2004), fez parte da Formação Essais no CNDC d’Angers (França, 2005-2006) e do Programa SODA, HZT/UdK (Berlim, 2010-2011). Tem apresentado seu trabalho em diferentes contextos (dança, performance, artes visuais), em diversos festivais e mostras no Brasil e em outros países, com apoio de instituições brasileiras e europeias, como Itaú Cultural, Festival Panorama, Funarte, Instituto Goethe, PACT Zollverein, Fabrik Potsdam, Uferstudios, Weld, entre outros.

Manuela Eichner é artista visual formada em escultura pela UFRGS/RS. Vive em São Paulo. Múltipla, a sua produção abarca desde vídeos e performances até oficinas colaborativas, passando pelo desenvolvimento de ilustrações, instalações e murais. Nessas diferentes frentes, ela recorre sistematicamente a princípios de colagem, ruptura e embaralhamento da unidade espacial. Participou do Projeto Rumos Itaú Cultural, da coletiva Utropic, na Polônia, da residência ZKU, na Alemanha, da residência Brooklyn Brush, em Nova York, do Salão Arte Pará 2016 e da Bienal de Curitiba, em 2017. 

Compartilhar :