descricao

FarOFFa no Sofá exibe cerca de 

130 espetáculos on-line ao longo de seis dias


 

A programação contempla trabalhos significativos desde a década de 1980 até 2019; o recorte considera trajetória, memória e contexto artístico de diferentes linguagens cênicas; nove palestras do ECUM (Encontro Mundial das Artes Cênicas) inéditas serão disponibilizadas.

 

As apresentações na FarOFFa no Sofá são, majoritariamente, de obras não apresentadas no formato digital ainda; as transmissões serão pelo site faroffa.com.br

 

 Link com as fotos e vídeos aqui

 

FarOFFa no Sofá é uma mostra que reúne, em seis dias (entre 11 e 16 de agosto), cerca de 130 obras, além de nove palestras. Tudo no contexto virtual, porque assim segue o mundo das artes, ou pelo menos ainda no Brasil. Assim é o ‘novo normal’, um formato que vinha se anunciando há tempos em linguagens diversas, mas que ainda não era imperativo nas artes cênicas. A partir de 2020, o digital nunca mais será relegado a registros apenas.  

Se a potência das artes é indestrutível e se reinventa a cada período, é também verdade que, de imediato, a sensação é de caos e insegurança. Apesar de gratuita, a mostra sugere o sistema “pague quanto puder”. A quantia arrecadada será doada às instituições Arte Salva (PR), Casa Aurora (BA), É Da Nossa Cor (SC), Em Cena Arte e Cidadania (PE), Fundo Marlene Colé (SP), Haja Amor –  Revolução (RJ), IBCM - Instituição Beneficente Conceição Macedo (BA),  Pela Vida de Nossas Mães (RJ), N’Zinga – Coletivo de Mulheres Negras (MG) e Rede Sim Solidária (PI), que atendem pessoas em situação de extrema vulnerabilidade.

Em março de 2020, a primeira edição da FarOFFa, parte do Circuito Paralelo de Artes de São Paulo trouxe ao público paulistano mais de 100 apresentações de 57 espetáculos a 13 espaços culturais de São Paulo. Cinco meses depois, o evento está de volta, digital, e determinado a fazer a roda girar. FarOFFa no Sofá acontece entre 11 e 16 de agosto, levando ao site da mostra cerca de 130 espetáculos, além de nove importantes depoimentos realizados no Ecum (Encontro Mundial das Artes Cênicas) entre 1998 e 2001, fórum internacional que acontecia na cidade de Belo Horizonte (MG). 

A abertura da FarOFFa no Sofá será dia 10 de agosto, a partir das 19h com o show TRAVA, de Marina Mathey, gravado no Teatro Oficina em 2019 com a participação de Ava Rocha, às 20h a performance musical Por Um Triz, com Luiza Loroza e às 21h Luiza Linhares se apresenta com voz e violão. O encerramento da mostra, dia 16 de agosto, tem show do cantor, ator, diretor e produtor musical, André Muato.

Parceria é uma condição na trajetória da Corpo Rastreado, produtora que junto com a Périplo, realiza a FarOFFa. Nesta segunda edição,  parcerias entre artistas, MITsp – Mostra Internacional de Teatro (SP), Junta Festival Internacional de Dança (PI), Trema Festival (PE) e Manga de Vento (GO), somadas a uma vontade imensa de operacionalizar ideias urgentes e desafiadoras, impulsionam a trazer à tona obras relevantes no contexto brasileiro não só na década atual, mas no percurso da história do país.

Desta forma, mais importante do que manter a lógica de estreias incessantes – modo que o mercado artístico vem operando há tempos – a FarOFFa se debruça em trajetórias, em memória, contexto de criação dos espetáculos, dos artistas, da pesquisa, um envolvimento intenso com a obra e com quem a criou. A partir desse modo de trabalho com as artes, um novo conceito surgiu: o da cuidadoria. Dois campos justificam esse novo olhar: o de programação e de produção. Quem atua nos dois lados da mesma moeda sabe que o acompanhamento, o acolhimento, o cuidado e atenção às delicadezas da trajetória fazem a diferença no resultado final.

 

Gabi Gonçalves, da Corpo Rastreado, conta que a cuidadoria tem apostado em “não podemos considerar esse período como um hiato, uma espera para o futuro, mas deve ser um tempo de valorizar os recursos digitais e considerá-los parceiros importantes e indissociáveis das obras artísticas”, diz.

 

Percursos artísticos

Se o mercado vinha há anos pedindo que novas obras tivessem prioridade na escolha das programações, a FarOFFa no Sofá subverte e elenca em sua edição virtual espetáculos recentes, nem tão recentes e nada recentes. Exemplos de criações que muitos da geração atual não assistiram, criadas no século 20, são “Kelbilim, o Cão da Divindade”, de 1988, primeiro espetáculo do Lume Teatro, além de “Cravo, Lírio e Rosa”, de 1996, do mesmo grupo. Ainda da década de 1990, será apresentado o emblemático “HAM-LET”, do Teatro Oficina Uzyna Uzona.

A partir dos anos 2000, o registro de obras completas passou a ser um pouco mais constante. A FarOFFa no Sofá programou, já nascidos após a virada do século, “Hysteria”, do Grupo XIX de Teatro, de 2001, “Shi-Zen, 7 Cuias”, do Lume Teatro e “Agora e na hora de nossa hora”, de Eduardo Okamoto, ambos de 2004. Wagner Schwartz apresenta seu primeiro espetáculo, “Transobjeto”, de 2004. Ainda desta década, tem “BR-3”, do Teatro da Vertigem, de 2006, “Áfricas”, do Bando de Teatro Olodum e “Filosofia na Alcova”, de Eduardo Felix, os dois últimos de 2007.
 

Programação da FarOFFa no Sofá

Ter a chance de ver ou rever algumas obras de anos atrás, ou mesmo espetáculos recém saídos de temporadas, mas que por algum motivo não foi possível ver no teatro. Assim é essa edição da FarOFFa no Sofá. 

Dos recentes aos não recentes, tem o Teatro Oficina com três peças, “HAM-LET” (1992), “Navalha na Carne” (2015), “Bacantes”(versão de 2016) e o Bando de Teatro Olodum com “Áfricas” (2007), o primeiro espetáculo infantojuvenil da companhia. O Grupo Galpão exibe “Os Gigantes da Montanha” (2013) e “Nós” (2017) e o também mineiro Grupo Oficcina Multimédia resgata “Play it Again” (2012) e “Macquinária 21” (2016). Com três obras programadas na mostra, Renata Carvalho estará nas cenas de “Manifesto Transpofágico” (2019), no "Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu" (2016) e “Domínio Público” (2018).

Outros tantos, mais antigos na memória, como “Palhaços” (2005), com Dagoberto Feliz e Danilo Grangheia, “Saudade em Terras D’agua” (2005), do Dos à Deux, “Julia” (2011), de Christiane Jatahy, “Cucaracha” (2012), da Cia Teatro Independente, “Azirilhante”, de Flavia Melman (2013), “A Cidade dos Rios Invisíveis” (2014), do Coletivo Estopô Balaio, “Why the Horse” (2015), de Maria Alice Vergueiro, “Guerrilheiras ou para a terra não há desaparecidos” (2015), de Gabriela Carneiro da Cunha são chances de perceber se o olhar do espectador se mantém depois de alguns anos em relação a uma obra.

Em 2016, uma ação de 56 artistas negres tomou os corredores da plateia do Teatro Municipal de São Paulo, dentro da programação da MITsp: era o “Legítima Defesa”, do grupo homônimo, a atividade que abre, em 2020, as transmissões da FarOFFa no Sofá no dia 11 de julho, às 12h30. Do mesmo ano, a mostra também traz “Amadores” (2016), da Companhia Hiato, “Neva – Isso não é um grupo” (2016), um texto de Guillermo Calderón com direção de Diego Moschkovich e Alguma Coisa a Ver Com Uma Missão” (2016), da Cia Os Crespos.

De anos mais recentes, de 2018 e 2019, há uma profusão de montagens ainda bem vivas na memória do público: “Guanabara Canibal” (2018), da Aquela Cia, “O Encontro - Malcolm X e Martin Luther King”, de Aline Mohamad e Isaac Bernat (2018), “Navalha na Carne Negra” (2018), de José Fernando Peixoto de Azevedo, “Esperança na Revolta” (2018), da Confraria do Impossível, “Quando eu Morrer vou Contar a Deus” (2018), do Coletivo O Bonde, “Traga-me a Cabeça de Lima Barreto” (2018), da Cia dos Comuns, “Negra Palavra” (2019), do Coletivo Preto e Companhia de Teatro Íntimo e “Segunda Queda” (2019) de Ave Terrena e Claudia Schapira.

Vale citar que, além das obras brasileiras, Alemanha, Colômbia, Argentina e México estão representados, respectivamente, pelos espetáculos “Trança” (2016), com concepção, direção, coreografia e performance do brasileiro Thiago Granato, “Animal”, de Gustavo Miranda; “El Ritmo”, da Compañía Buenos Aires Escénica, de Matias Feldman; e “Lo Unico Que Necessita Una Gran Actriz, Es Una Obra Y Las Ganas De Triunfar”, do Vaca35 Teatro em Grupo.

Além de teatro (e um show da performer Marina Mathey), estão contempladas obras que dialogam com várias linguagens, com a dança, com a performance e com as artes do corpo. O coreógrafo e dançarino Edu O. tem três trabalhos veiculados na mostra: “Kilezuuummmm” (2018), “Se quiser, deixe sua lembrança!” (2016) e “Bonito” (2017). Mauricio Florez traz duas coreografias, “UM” (2017) e “Bolero” (2014), assim como Marina Guzzo que dirige “Mar” (2017) e “Celeste-Cosmologia de um Salto” (2018), em que assina concepção, pesquisa e direção. 

Alguns grupos ou artistas apresentam mais de um trabalho na mostra, como Gladis das Santas e Ronie Rodrigues que exibem “Cachaça Sem Rótulo” (2013) e “Pão com Linguiça” (2017); Wagner Schwartz, além de compor a equipe de “Domínio Público” (2018) apresenta sua primeira obra, “TransObjeto” (2004). O GRUA - Gentlemen de Rua, coletivo que tem à frente Jorge Garcia, Osmar Zampieri e Willy Helm reexibem “Grua Navegantes: Rotas de Afetos” (2017) e “SETe” (2018).

Companhias longevas ou artistas que estão há anos produzindo no Brasil e  fora do país também estão programados na FarOFFa no Sofá: “Médelei – Eu Sou Brasileiro (etc) e Não Existo Nunca” (2006) de Cristian Duarte, “Pequena Coleção de Todas as Coisas” (2013), direção Dani Lima, “Protocolo Elefante” (2015), do Grupo Cena 11, “A Cozinha Performática” (2013), do Núcleo Marcos Moraes, “Obrigado por vir” da Key Zetta e Cia e “Blue Requiem”, de Ricardo Iazzetta (ambos de 2017), “Os Corvos” (2017), de Luis Arrieta e Luis Ferron, “Retomada” (2016), de Fred Nascimento / Grupo Totem, “Altíssimo” (2017), de Pedro Vilela, “Dança Doente” (2017), de Marcelo Evelin /Demolition Incorporada e “UTOPYAS to Everyday Life” (2017), de Flavia Pinheiro e  Carolina Bianchi.

 

Kombi – Fragmentos de um imaginário tropical - Programa de aproximação


Um horário especial dentro da mostra (entre 12h e 17h, de terça a quinta-feira) marca uma intenção: a de ter na plateia virtual programadores e curadores internacionais. Aqui também aparece o conceito da cuidadoria, o desejo de potencializar a troca com outros países, outras culturas, entender que diante desse novo cenário mundial há muita perspectiva no grande universo da internacionalização das artes cênicas brasileiras. Para que essa troca seja melhor apreendida pelos curadores, essa programação terá legendas em inglês.

Nestas sessões, cerca de 40 obras recentes e nem tão recentes se misturam numa amálgama de trajetória e furor. A Corpo Rastreado e a Périplo, com o olhar duplo de quem produz e também faz programações, resgatam espetáculos que o mercado - sempre ávido por estreias - pode ter deixado de perceber. Neste módulo estão espetáculos e um show, dentre os quais “A Marca Da Água” (2012), da Armazém Companhia de Teatro, “Bacantes” (1996 - montagem de 2016), do Teatro Oficina, “Dinamarca” (2017), do Grupo Magiluth, “Grito” (2016), da Dos a Deux, “Há Dias que não Morro” (2019), da ultraVioleta_s, “Nós” (2016), do Grupo Galpão, “Shi-Zen, 7 Cuias” (2004), do Lume Teatro, “Quando Quebra Queima” (2019), da Coletiva Ocupação, “Manifesto Transpofágico” de Renata Carvalho e “Altamira 2042”de Gabriela Carneiro da Cunha.

A Kombi - Fragmentos de um imaginário tropical é um programa de aproximação entre profissionais das artes cênicas com o intuito de promover o encontro e abrir portas para novas parcerias, colaborações e maneiras de trabalhar.

Os Papos de Kombi são três encontros com profissionais de artes cênicas do Brasil e de outros países para discutir e apresentar pontos de vista sobre as ações culturais, as atuações e perspectivas diante da pandemia do novo coronavírus no país e no mundo.

A participação é voltada a profissionais, que devem se inscrever pelo site FarOFFa.com.br até dia 10/08.
 

Papos de Kombi - Programação

11/08 (terça-feira) – 10 às 12h
Cuidadoria é um caminho para a construção de futuros possíveis?
Participantes confirmados: Felipe de Assis (Salvador – Brasil), MJ Chung (Seul – Coréia do Sul) e Vanessa Viscarra (Lima – Peru)
Mediação: Pedro de Freitas (São Paulo – Brasil)

12/08 (quarta-feira) – 10 às 12h
Como traçar uma nova ética de fazer junto?
Participantes confirmados: Alejandro Clavier (Lima – Peru) e Andrea Caruso Saturnino (São Paulo – Brasil)
Mediação: Luh Mazza (São Paulo – Brasil)

13/08 (quinta-feira) - 10h às 12h
Precisamos de um novo Comum?
Participantes confirmados: Carmen Romero (Santiago – Chile), Cordelia Grieson (Londres - Inglaterra), Gerardo Salinas (Bélgica)
Mediação: Celso Curi (São Paulo – Brasil)
 

Palestras Ecum – Encontro Mundial das Artes Cênicas

Criado em 1998, em Belo Horizonte, o Ecum (Encontro Mundial das Artes Cênicas) é reconhecido internacionalmente como um dos mais importantes fóruns de troca de conhecimento na área. Seu objetivo central foi trazer discussões sobre temas contemporâneos do fazer cênico. Além de BH, os encontros também ocorreram em São Paulo e Rio de Janeiro – entre outras cidades – nos anos de 1998, 2000, 2002, 2004, 2006, 2008, 2011 e 2013. As oito edições possibilitaram benefícios diretos a mais de 15.000 pessoas ligadas à área. 

Nos encontros, que se estenderam por uma ou duas semanas, foram realizados workshops, conferências, demonstrações de trabalhos, exposições e espetáculos. Outras importantes características dos encontros são a afirmação da pluralidade de olhares sobre as artes cênicas.  

As ações realizadas pelo Ecum sempre tiveram uma dimensão internacional, transdisciplinar e transcultural, e seus temas, transversais, abordavam questões como “Oriente/Ocidente”, “O Teatro em Tempos de Guerra”, “Diálogos com o Futuro” e “Teatros da Radicalidade”, assuntos que geraram novos diálogos - e projeções - sobre o fazer artístico e teatral.

Para a FarOFFa no Sofá, serão disponibilizadas as gravações de mesas de debates que tiveram participação de Antonio Nóbrega, Eugênio Barba (Itália) e José Celso Martinez Corrêa, em 1998; Yoshito Ohno (Japão) em 2000; Lydia Hortélio e Sue Morrisson (Canadá) em 2004; Adama Traoré (Mali) em 2006; e Bèatrice Picon-Valin (França) e Viliam Docolomansky (República Checa) em 2008. Até agora, as gravações nunca tinham sido exibidas publicamente. 

 

Ficha técnica da FarOFFa no Sofá

Cuidada e feita por: Todes
Pensada por: Corpo Rastreado e Périplo Produções
Junte de: Canal Aberto, Casarini Produções, Ecum - Encontro Mundial das Artes Cênicas, MITsp – Mostra Internacional de Teatro, Junta Festival Internacional de Dança, Trema Festival e Manga de Vento.

Equipe digital:
Alba Roque, Aline Mohamad, Ariane Cuminale, Danusa Carvalho, David Costa, Gabi Gonçalves, Gisely Alves, Graciane Diniz, Leonardo Devitto, Ludmilla Picosque, Monique Vaillé, Murilo Chevalier, Natasha Bueno, Pedro de Freitas, Ricardo Suzart, Rodrigo Fidelis, Tamara Andrade, Thaís Cris e Thaís Venitt.

 

Serviço
FarOFFa no Sofá

Abertura: 10 de agosto, a partir das 19h, com shows de Marina Mathey, Luiza Loroza e Juliana Linhares
De 11 e 16 de agosto de 2020
Onde:
www.faroffa.com.br
Quanto: pague quanto quiser.

A verba será destinada às instituições Arte Salva (PR), Casa Aurora (BA), É Da Nossa Cor (SC), Em Cena Arte e Cidadania (PE), Fundo Marlene Colé (SP), Haja Amor – Revolução (RJ), IBCM - Instituição Beneficente Conceição Macedo (BA),  Pela Vida de Nossas Mães (RJ), N’Zinga – Coletivo de Mulheres Negras (MG) e Rede Sim Solidária (PI).

 

Redes sociais da FarOFFa:
Instagram: @ faroffasp
Facebook: facebook.com/faroffasp

 

Assessoria de Imprensa
Canal Aberto
Márcia Marques | Daniele Valério | Diogo Locci
Contatos: (11) 2914 0770 | 9 9126 0425 | 9 8435 6614 | 9 9906 0642

marcia@canalaberto.com.br | daniele@canalaberto.com.br | diogo@canalaberto.com.br


 

Compartilhar :